O triângulo da prenhez precoce

O triângulo da prenhez precoce
Publicado em: BOI , BOVINOCULTURA , BOVINOS , FAZENDA , GADO DE CORTE , GESTÃO PECUÁRIA , GESTÃO RURAL , INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL , PECUÁRIA DE CORTE , REPRODUÇÃO BOVINA , SAÚDE BOVINA , TECNOLOGIA ,

O pecuarista está sempre em busca de alternativas que potencializem o faturamento da fazenda. Já temos a técnica de Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) e técnicas de melhoramento genético, que têm sido bem difundidas com o objetivo de selecionar animais mais produtivos e são um bom exemplo disso. Mas você já ouviu falar em prenhez precoce?

Sabemos que a taxa de desfrute é um dos principais indicadores de faturamento (e produtividade) de uma fazenda. A taxa de desfrute reflete a produção excedente de arrobas da e depende da aptidão reprodutiva das fêmeas. Ou seja, depende de como, quão rápido e com qual nível de qualidade as fêmeas se reproduzem.

Por isso, neste artigo vamos falar de como tornar as fêmeas mais otimizadas através da prenhez precoce, que se baseia, fundamentalmente, em uma tríade: nutrição, sanidade e manejo. Continue comigo!

Em primeiro lugar, o que é prenhez precoce?

A fêmea é considerada precoce quando fica prenhe aos 14 meses, em média. Podendo variar entre 12 a 16 meses de idade. Mas esse cenário ainda está bem distante da realidade brasileira, pois para atingir a prenhez precoce é necessário uma variedade de manejos que, por vezes, o pecuarista considera uma perda de tempo.

O fato é que a prenhez precoce pode representar um grande ganho econômico na fazenda e deve ser tratada com mais interesse entre os pecuaristas que desejam níveis mais altos de produtividade. Principalmente, porque além da necessidade de manejos específicos, isso depende de muitos fatores, como fertilidade, intervalo entre partos, taxa de concepção, escore corporal da fêmea, entre outros…

Controlar índices zootécnicos é fundamental para o faturamento da fazenda

Lendo outros artigos do Blog da Pecuária, você vai ver que já falamos várias vezes sobre a otimização de lucros, que inclui todo o processo desde a produção até a comercialização dos produtos e depende de bons resultados, mostrados pelos índices zootécnicos. Otimizar índices zootécnicos é fundamental para alcançar uma pecuária mais inteligente e lucrativa, ou seja, otimizar índices também promove a otimização da lucratividade.

Os índices de desempenho zootécnico se aplicam em todas as fases (cria, recria e engorda) e incluem índices como taxa de desfrute, taxa de lotação, ganho médio diário, entre outros. Já os índices reprodutivos devem ser avaliados a fim de melhorar o potencial genético do rebanho, ou seja, para selecionar os animais que têm melhores resultados. Na reprodução, vários fatores são avaliados, como a idade à puberdade e ao primeiro parto, intervalo entre partos e taxas de aborto, são bons exemplos.

Índices Zootécnicos Reprodutivos X Taxa de Desfrute

Em relação aos índices zootécnicos reprodutivos, a média de idade no primeiro parto é superior a 40 meses, o que impacta a atividade pecuária de forma bastante negativa e é influenciada pelo período que a vaca levou para ficar prenha. Tudo isso influencia na taxa de desfrute da fazenda, um dos principais indicadores de faturamento da pecuária - quantidade de bezerros desmamados. 

As causas consideradas para esse cenário são, principalmente, a elevada idade do primeiro parto e baixa taxa de gestação das fêmeas aptas à reprodução. Entre diversas formas de melhoramento genético, alguns manejos podem ser utilizados para possibilitar a obtenção da prenhez precoce. Dessa forma, investir em nutrição, sanidade e genética são o melhor caminho para aumentar a taxa de desfrute e, consequentemente, o faturamento da fazenda.

Nutrição bem estruturada deve ser prioridade para obtenção da prenhez precoce

Para fêmeas reprodutoras, o objetivo não é aumentar o ganho de peso ao abate e sim antecipar a entrada delas na vida reprodutiva, e isso depende do crescimento da fêmea. Quando falamos de crescimento, estamos falando principalmente da deposição óssea. Estabelecer um protocolo bem ajustado conforme as exigências da categoria vai garantir que a fêmea esteja apta à reprodução mais cedo.

bezerro no campo taxa de desfrute

O manejo nutricional deve ser muito bem estruturado para as fêmeas candidatas a precocidade sexual, isso porque o escore corporal tem influência direta nos índices reprodutivos já que o estado nutricional da mãe interfere no estado nutricional do bezerro. Além da raça e evolução de crescimento, o escore de condição corporal também influencia diretamente na fertilidade da fêmea e precisa ser superior a 2, numa escala de 1 a 5.

É necessário descartar animais improdutivos

O melhoramento genético nada mais é do que a seleção de animais que possuem características desejáveis ao produtor, ou seja, animais que tenham características mais produtivas. Por isso é necessário descartar aqueles animais que apresentem baixa eficiência produtiva, mas isso não quer dizer que você tenha que descartar animais assim que perceber qualquer queda na produtividade.

Descartar animais improdutivos é fundamental não só para o aumento do faturamento da fazenda, mas também para melhorar a qualidade dos bezerros produtivos. A seleção de animais melhorados geneticamente é responsável por garantir que os genes repassados possuem as características desejadas pelo produtor.

O primeiro passo é identificar e tentar solucionar a causa da baixa eficiência produtiva e, caso não seja possível solucionar o problema, a última opção é descartar o animal. Manter animais de baixo desempenho na fazenda só faz com que os custos de produção fiquem mais altos, e o pecuarista deve evitar isso ao máximo.

“Investir em prenhez precoce vale a pena?”

Sem dúvidas! Investir em prenhez precoce é uma ótima estratégia para o pecuarista e eu vou te mostrar isso em números. De forma geral, existem 4 custos na produção de fêmeas precoces:

  1. Valor de compra da bezerra, que deve ser considerado mesmo que a bezerra tenha sido comprada na própria fazenda ou de terceiros;

  2. Suplementação;

  3. Pasto;

  4. Protocolo de Inseminação Artificial em Tempo Fixo.

O valor total dos 4 custos chegou a R$3.015,00, mas o resultado é mostrado no momento da venda do animal, e o lucro se apresenta da seguinte forma:

  • A novilha prenha é negociada a R$4.200,00 e o lucro obtido da negociação é de R$1.185,00;

  • A novilha vazia é negociada a R$3.360,00 e o lucro obtido da negociação é de R$345,00.

O objetivo dessa conta é te mostrar que a negociação de fêmeas melhoradas geneticamente promove o aumento do faturamento da sua fazenda, ainda que a novilha esteja vazia.

bezerro mamando faturamento da fazenda

Agora que você já conhece o triângulo da prenhez precoce e quais vantagens o investimento pode trazer para sua fazenda, é só colocar em prática! 

Acompanhe nossos conteúdos em todos os canais:

Se inscreva no nosso canal do Youtube | Participe do nosso canal no Telegram | Participe do Grupo Exclusivo no Facebook | Acompanhe a Fertili no Twitter e também no Instagram